15.7.06

domésticas

A verdade sobre o céu da Irene
(pode ser cantarolado em melodia de marchinha)

Irene preta
Irene boa
Irene sempre de bom humor.

Imagino Irene entrando no céu:
— Licença, meu branco!
E São Pedro bonachão:
— Entra, Irene. Você não precisa pedir licença. A vassoura tá aí no canto, pode começar a varrer...

Enfim, o filme. não sublima nada, não expurga ninguém. não tem herói, e o que tem de bandido é pé-rapado. é bom.
nunca gostei muito da idéia de alguém que trabalha pra limpar a sujeira dos outros, fazer o serviço sujo, como dizem. nunca, não. até minha mãe precisar fazer faxina pra segurar as pontas... e nunca gostei das palavras (nunca mesmo): doméstica, empregada, criada... ela ainda limpa, mas agora não é casa, é um mercado. eu tenho vontade de arremessar merda no dono daquela joça.

1 pessoas pararam por aqui:

zézim disse...

se precisar, é soh chamar. tem quem ajude!!!

Postar um comentário

Diga lá.