29.9.06

poeminha explicativo (acompanha a pessoa em questão)

tem um cara andando por ai, agora
andando, como se inventasse o caminho
e por acaso encontrasse comigo,
quando tenta a minha porta.
por que vem, eu não sei
(quem ousa saber é ele)
sei só que vem - acaba vindo
de mãos vazias, estendidas
com suas historias enfeitadas
e creio que nem existia mundo
pra antes dessa chegada

traz suas palavras arranjadas em poemas,
suas idéias em versões parodiadas
em melodia, em preto e branco
versões curtas, longas, legendadas...
sempre a tragar prosa com cachaça
risadas perdidas e comida barata
e a isto ousa dizer que é vida
vejo-o zombar da militância e das guerrilhas
e contornar os trabalhos e as rotinas
pra ocupar mãos malandras nos abraços
(nunca em armas, nunca em máquinas)

ah, errante, desocupado
tu vales o minuto que me tomas
a medida exata da tua palavra,
a quantidade justa das tuas histórias
e pra lá da tua companhia
é só promessa
ah, eu bem que me divirto
a imaginar as vontades das amantes
a ter-te por perto e pensar em depois
e ver-te partido e consultar as memórias
sem saber, pobrezinhas
que o melhor de ti, é instante,
é gesto, é conversa!

0 pessoas pararam por aqui:

Postar um comentário

Diga lá.