14.12.07

alberto caeiro

um colega me pediu que espalhasse esse poema do caeiro como paga de gratidão por algo bacana que ele fez. eu resolvi cumprir a coisa por aqui, ainda que com algum remorso, pois sei bem que com os 0,2 leitores assíduos - nem sequer os membros da família! - postar a poesia aqui não seria exatamente "espalhar". mas, enfim, dá certa dignidade ao blog, então fica como está mesmo.

Para além da curva da estrada
Talvez haja um poço, e talvez um castelo,
E talvez apenas a continuação da estrada.
Não sei nem pergunto.
Enquanto vou na estrada antes da curva
Só olho para a estrada antes da curva,
Porque não posso ver senão a estrada antes da curva.
De nada me serviria estar olhando para outro lado
E para aquilo que não vejo.
Importemo-nos apenas com o lugar onde estamos.
Há beleza bastante em estar aqui e não noutra parte qualquer.
Se há alguém para além da curva da estrada,
Esses que se preocupem com o que há para além da curva da estrada.
Essa é que é a estrada para eles.
Se nós tivermos que chegar lá, quando lá chegarmos saberemos.
Por ora só sabemos que lá não estamos.
Aqui há só a estrada antes da curva, e antes da curva
Há a estrada sem curva nenhuma.

2 pessoas pararam por aqui:

Marcus disse...

Fala minina!! Estou vendo o seu blog pela primeira vez. Quem sabe eu não me torne um leitor quase assíduo e ajude a aumentar essa taxa para uns 0,5 ou 0,6... =)
Adorei a poesia do Caeiro. Acho que ela reflete um pouco de mim. Por isso a copiei pro meu perfil no orkut.
Beijão. Saudades.
Marcus Vinícius

aline disse...

olha só, mas que boa surpresa - pessoalmente e comercialmente, já que eu travo contato com um velho amigo e, de quebra, aumento as taxas do ibope. :)

obrigada, marcus. beijos

Postar um comentário

Diga lá.