20.2.08

comida, diversão, balé

Vi uma entrevista do Mainard, recentemente (sei lá porque eu estava me torturando assim) e ele dizia que se vê obrigado a falar de política, que é um assunto que se impõe. Porém: ele acha aborrecido ter de fazer isso, pois há tanta coisa melhor de se falar. Hum.

Não concordo, em absoluto. Primeiro, que política não é mais um assunto que se impõe coisa nenhuma, é perfeitamente possível passar uma vida (duas, até) sem preocupar-se nada com política. Meus colegas de universidade que o digam. Meus amigos e conhecidos da cidade pequena que o digam. É mais interessante e relevante discutir a má fase do Corinthians (a propósito... hohohohohoohoho), o big brother e o tamanho do tapa-sexo das globelezas... enfim, política perde ibope para qualquer (qualquer!) outra coisa.
Segundo, que política não é um assunto chato. Eu lamento por quem pensa assim, porque acho que estes acabaram desestimulados por uma política necrosada, partidária, hipócrita. Essa, de longa tradição no país. Mas creio que a política estende-se muito além disso, toca a atuação cotidiana das pessoas em relação a si próprias, às relações que estabelecemos com outras pessoas em diversos âmbitos, à nossa relação com a informação, com as instituições públicas e privadas, aos recursos do país, e por aí afora. Na verdade, é um assunto fascinante. Quisera que se impusesse, quisera que fosse pauta de debate, mesmo. Mas não é nada, não.


Tudo isso porque eu queria dizer que me interesso muito por política, embora não fale muito a respeito por aqui. Eu vi uma piadinha sobre o Fidel e achei bacana de postar. Veio do Imprensa Marrom, um dos meus blogs preferidos.

"JK disse: '50 anos em 5'. Fidel disse: '50 anos em... hm... acho que vou ficar com 50, mesmo'"

Não é mesmo boa? :)

0 pessoas pararam por aqui:

Postar um comentário

Diga lá.