12.2.08

os dez melhores filmes deste século

2046

É um belo (belíssimo) filme, em muitos sentidos: a fotografia, a trilha sonora, o roteiro, os personagens, a coisa toda. O diretor Wong Kar Wai é um dos melhores diretores atualmente, e a maneira como ele trabalha a sensibilidade, solidão e comunicação, em linguagem cinematográfica, é surpreendente. Na verdade, eu diria que o melhor é Amor à flor da pele, predecessor deste e superior em todos os quesitos. Mas Amor à flor da pele é de 2000.

O Labirinto do Fauno
Não é só o requinte estético do filme que me fascina, mas o enredo fantástico (mágico, quero dizer), com elementos ficcionais criativos e cativantes, tão bem conjugado aos elementos históricos da guerra civil espanhola. É um conto de fadas com uma perspectiva crítica da história e da violência... é incrível.

Ei irmão, cadê você?
Ah, eu já vi esse filme tantas vezes e ainda não cansei. Gosto da trilha sonora, gosto das atuações, dos personagens, da adaptação do texto da Odisséia, das piadas todas.

Dogville
Sem comentários. Filme sério, inteligente, desesperador.E, talvez, o melhor dele sejam as reações que provoca (digamos, como Tropa de Elite, mal comparando). Digo isso porque acho esse filme uma cilada: o pensamento politicamente correto desmorona ao longo das longas horas e agonias de Grace. No fim, o espectador deseja mesmo a chacina, a destruição, a condenação e extinção das pessoas e das coisas, por mais precárias que fossem as circunstâncias. Aliás, a discussão toda é por aí, e não há nenhum argumento a respeito da crueldade humana que não se veja posto em atuação e depois em xeque. O filme ironiza quem sai de alma lavada da sala do cimena, tanto quanto quem sai perplexo. E dá-lhe dor de cabeça pra digerir tudo, depois...

Caché
O filme mais responsável, desde Batalha de Argel, a respeito da França e suas relações terríveis com as antigas colônias. Melhor: suas relações terríveis com os que não são Français chez les Français. Um filme sobre o silêncio, o esquecimento, a crueldade dos que fazem muita coisa, pensando que não fazem.

Waking Life
Longo, e muito bom.

Fale com ela
O Almodóvar merece créditos, sem dúvidas. Entre seus filmes mais novos - livres do escracho de outrora - creio que Fale com ela seja o mais desafiador. Por muitos motivos: o enredo é impressionante, duro, mas o tom da coisa toda é bem suave. O balé e as touradas, o amor discreto e a obssessão, finalmente, a vida e o suicídio estão tão próximos e intercalam-se tanto, que o filme foge de qualquer simplificação. Desses filmes que me fez sair do cinema diferente de quando eu entrei.

o Filho da Noiva
Muito bom, muito bom.

Paradize Now
Gosto da mudança de perspectiva. Olhar o terrorismo por outros olhos faz bem à alma. E ao cérebro.

Terra de Ninguém
Um filme sobre guerra que vale a pena (o filme vale, não a guerra); cujos personagens principais são as pessoas, o que interessa são as conversas e as escolhas, a sobrevivência. Não as bombas, os efeitos, a honra da bandeira e da rainha.




Menções honrosas a dois animes: o longa O Castelo Animado, e a série Death Note. E ao longa Bicicletas de Beleville.

3 pessoas pararam por aqui:

marcio cenzi disse...

oi.
há um post legal sobre o doville no www.coelhinhoschapados.blogspot.com

Marcelo Novaes disse...

Oi, Aline!

É uma boa lista, essa.

Obrigado pela visita, moça.

As poesias são todas minhas. Todas.E os textos também.

Beijos,

Marcelo.

Daniele disse...

falta:
- brilho eterno de uma mente sem lembraças
- crash


na boa, caché é um saco!

Postar um comentário

Diga lá.