22.7.08

Para que a moça, secretária do escritório de advocacia volte;
Seu Tércio, 42 anos, escrivão há 20 deles
carimba o protocolo da terceira via do documento,
Errado.
Em casa se delicia lembrando o sacolejar irritado
De quando ela volta e mesmo brava, diz:
- bom dia!Seu Tércio – com os lábios doces
melados de batom vermelho.
o selo vai embora certo.


A mulher de seu Tércio
sabe, que quando ele chega
do trabalho, gosta de acender
um cigarro, sentado na varanda,
e que odeia ser incomodado.


Seu Tércio sabe que a mulher gosta
de Admirá-lo assim:
Sereno.
(Lembra um Tércio do passado).


Quando Mercedes conheceu Tércio,
ela achou que ele fazia aquilo de propósito,
para poder sempre vê-la assim -
toda atenciosa com ele.


A belíssima gravura é de Rita Braga. O que motivou este poema, segundo a poeta, foi uma espécie de desafio: o verbo amar ainda cabe à poesia?


E eu tenho a honra de conhecer estas duas artistas pessoalmente.

5 pessoas pararam por aqui:

Marcus disse...

Adorei o poema .
Me apresenta a poeta ?

aline disse...

claro, como não?
o site dela está linkado na palavra poeta, do texto. e no meu blogroll, tbm: é o inCrise. recomendadíssimo....

vc pode ir lá e se apresentar pessoalmente, com seu nome e blog de poesia!

lu disse...

lindo o poema. só meio confuso pra uma pessoa de poucos neurônios como eu: Mercedes é a secretária? ou é a mulher do seu tércio?

aline disse...

mercedes é a mulher do seu tércio. acho. (eu tbm me pergunto isso, na verdade)

Theo Weissmann disse...

Tão leve.. (mas não leveza ingênua; falo do bom 'leve').

Por incrível que pareça eu analisaria melhor qualquer poema aos 18 anos. Eu era competente ou acreditava demais nisso. Agora só suspiro, sem paixão alguma.

..Aiai.

Postar um comentário

Diga lá.