19.3.09

calvin e auto-ajuda

Não sou lá grande conhecedora de quadrinhos, mas eu acho que o Calvin supera qualquer um. Essa historinha aí debaixo, é disparado uma das minhas favoritas. O maior problema de adorar Calvin&Hobbes é que você pode ser tornar uma pessoa pouco paciente e amistosa, à medida que o mundo se mostra tã chato quanto o moleque diz que é. Uma vez, depois de uma aula, uma aluna veio me pedir dicar de leituras em francês. Eu perguntei do que ela gostava. Ela disse que o último livro que tinha lido era Quem roubou meu queijo?. Eu não sabia se sugeria Madame Bovary pra ela. Ou L'étranger. Ou Le petit prince. Ou se passava uma lista de exercícios de gramática, daqueles bem chatos de completar lacunas. E uma cópia dessa historinha aqui, que humildemente vos ofereço.


H: O que você está fazendo?
C: Ficando rico.
H: Mesmo?
C: É, estou escrevendo um livro de auto-ajuda! Tem um mercado enorme pra essas coisas.
H: ...
C: Primeiro, você convence as pessoas de que há algo de errado com elas. Isso é fácil, porque a publicidade já condicionou as pessoas a se sentirem inseguras quanto a seu peso, aparência, status, atração sexual e assim por diante.
Depois, você as convence que o problema não é culpa delas e que elas são vítimas de forças maiores. Isso é fácil, porque é o que as pessoas acreditam de qualquer forma. Ninguém quer ser responsável pela sua própria situação.
Finalmente, você as convence de que com seus sábios conselhos e encorajamentos, elas podem resolver seus problemas e serem felizes.
H: Engenhoso. Que problema você vai ajudar as pessoas a resolver?
C: O vício em livros de auto-ajuda! Meu livro se chama "Cale a boca e pare de choramingar: como fazer algo de sua vida além de pensar em si mesmo".
H: Você deveria esperar pelo adiantamento antes de comprar qualquer coisa.
C: O problema é... se o programa der certo, eu não vou ser capaz de escrever uma continuação.

6 pessoas pararam por aqui:

lu disse...

hahahaha, ge-ni-al!
adoro calvin, tem umas que são precisas mesmo. essa daí é sem dúvida das melhores!
bjos

Sarai disse...

Adorooo o Calvin!!Ainda que prefira muito mais a malfalda.É engraçado esse tema auto-ajuda.Nunca leio esses livros..como alguem pode falar do que não viveu,né?Auto-ajuda ao meu ver está diretamente relacionada a saber sobre experiência de vida dos outros ,mais do que frases feitas.ah,vou comentar no seu post anterior,ainda aquele assunto e tal.só pra não ficar no ar,tá?

Arthur disse...

Bill Watterson é genial, você deveria ter indicado Calvin para a sua aluna.

Daniel M. S. disse...

Também prefiro mafalda...
Mas Calvin & Hobbes vem logo em seguida, com toda a certeza. História fantástica, essa aí...

aline disse...

Lu. É, ele é preferência de muita gente. Pudera :)

Daniel, a Mafalda tá no meu top 1,5. Ela é quase a primeira. Mas acho o Calvin mais engrçado mesmo. Eu me mato de rir com ele, com a Mafalda nem tanto. É diferente, mas ela é genial tbm.

Arthur... tinha que ser em francês. E eu não tinha nenhum exemplar do Calvin em francês. Mas agora eu já consegui. 4, de uma vez. Sorte dos meus alunos. :D

Sara, a rigor, toda literatura fala da experiência humana. Mas a auto-ajuda é mais objetiva, ela quer balizar o sucesso e bem estar dos leitores. Dá fórmulas. Tem muito a ver com a cultura de massa e a mentalidade das duas últimas gerações. E, curioso, é que não precisa ler pra saber do que se trata. Pq a mensagem desses livros está dissolvida em todos os outros meios: publicidade, novelas, correntes de e-mail...

André Gonçalves disse...

calvin é genial.

Postar um comentário

Diga lá.