30.3.09

da falta de consciência da massa, coitada

"A campanha está errada porque não ensina como continuar a ação de uma hora. Não dá dicas de como transformar seu estilo de vida, nem sequer pede para que você se preocupe com consumo de energia... toda a chance de conscientização em massa virou demagogia." Veio daqui.

Discordo tanto. A campanha não peca por omissão ou descuido. Peca por pretensão e mentira. Nós passamos o domingo reunindo alguns dados pra escrever um ou dois posts. Quem conhece um pouco o blog sabe que Paulo é biólogo. Atua na área. Mais especificamente, com gás e energia. E legislação. O assunto é meio que conversa de jantar nossa. Se é pra falar disso, então vamos falar disso. Eu entenderia se a frase acima fosse proferida por um ator, uma médica ou professor de educação física*. Esse é o nível de conhecimento que a tv e os jornais passam publicitário. O mito da conscientização em massa. Eu adoraria saber qual grande tema já foi plenamente conscientizado pela massa (que, parece, não sou eu, nem você, nem a blogueira): planejamento familiar? importância do voto? integridade física e moral de crianças e adolescentes? uso de bebida alcólica no volante? preconceito de classe? Que preguiça. Falar de conscientização da massa, assim, em 2009. Quem é consciente não faz parte da massa. Já passou de fase, virou crítico. Super chique. Enfim. Cada um põe a culpa em quem quiser.
Primeiro ponto. O papo da "transformação-do-estilo-de-vida". Adoro. Vamos pegar um exemplo meio bobo.... lixo. Que diabos nós sabemos sobre lixo e conscientização? É preciso fazer coleta seletiva e reciclar, certo? Alguém já viu caminhões de coleta seletiva? Depois que você separou seu lixo entre orgânico e não orgânico, o que o prefeito fez? Jogou tudo no mesmo caminhão, que levou pro mesmo aterro? Ainda: quantas embalagens você joga fora depois de preparar uma refeição? Porque, sim, são muitas embalagens. Já há no Brasil uma figura jurídica sobre responsabilidade solidária sobre o resíduo, que diz que toda a cadeia produtiva é responsável pelo resíduo. Traduzindo: a indústria e o comércio também tem que pensar em meios de gerenciamento do lixo. Por exemplo, estimulando devolução e reaproveitamento de recipientes, como acontecia com as garrafas de vidro de refrigerante antes de virarem embalagens pet, que por sua vez viram camisetas da Hora do Planeta, vendidas a 50 reais. Mas então. Você produz lixo, a culpa é sua. Temos embalagens pra cada vez menos quantidade de produto, mas a culpa é sua. Que deve consumir menos (sem deixar de estimular a economia nacional, claro), escolher materiais reciclados e recicláveis. Individualmente. Pra ser consciente e escapar dessa coisa amorfa e não-pensante que é a massa.
Só queria pontuar mesmo. Que a pretenção de atingir todos os indivíduos, além de idealista, é irresponsável e alientante. Parece que o mundo é feito e gerido pelos indivíduos. Que os estilos de vida são decididos em cada detalhe pelas pessoas. As conscientes saberão como salvar o planeta. Como se as insituições políticas municipais, estaduais e federais não devessem dar suporte pra ação individual. Como se a indústria, com seus meios e fins, não estivesse implicada. Mas imaginem. Uma campanha que enfatizasse o apelo pra que as pessoas cobrem do estado e da indústria o suporte necessário pras medidas conscientes. Não ia dar sono? (mas pelo menos assim as pessoas apagariam mais as luzes)

No próximo post, a questão energética. Aproveitem e peguem um cafezinho.

*Acho que ficou claro, né? Que as pessoas que trabalham em ONG's ou mantém blogs de ciências *sabem* que a mobilização da população é uma parte pequena de qualquer solução pra catástrofe ambiental. Então elas deveriam gerar campanhas e discursos mais complexos e problematizadores do que "ei, você, seja mais consciente!".

6 pessoas pararam por aqui:

Verônica disse...

primeiro, eu queria dizer que seus posts são muito bons. segundo, eu concordo com a ideia de que precisamos de campanhas mais complexas e principalmente problematizadoras. mobilizar a população é começar de baixo para cima, quando na verdade, acredito que seria mais efetivo o inverso. ações como taxar as pessoas pelas sacolinhas de supermercado, como saber realmente o que acontece com o lixo depois que ele sai das nossas casas, uma conscientização mais 'abrasiva' e mais dolorida (que pesasse no bolso) para que a hora do planeta e tantas outras coisas necessárias para amenizar o problema ambiental se tornassem um hábito.
e mais uma vez, obrigada pelos seus posts.

Gabriela Galvão disse...

Nisso aih tem pilantragem da grossa.

Me dah mta raiva. Chama a atenção, mas muito mais a desvia. E d coisas mais importantes.

Isso me lembra doação em época d Natal e loteria.


Abraço.

lu disse...

nooooossa!! esse post foi o melhor, meu. esse blablablá ecológico não vai no ponto, e desviar é uma maneira de abordar o assunto sem abordar, como se fizéssemos de conta que estamos fazendo algo, pondo a culpa em cada um, como se fosse questão mesmo de se "conscientizar" - que é algo vago, fechar a torneira quando escova os dentes (aliás quem é que deixa a torneira aberta enquanto escova a droga dos dentes, meldeus) e enquanto isso essas empresas seguem enchendo o rabo de grana e nada mais importa.

eu lembrei que pra pescar atum eles matam um monte de golfinhos, e empresas produtoras de atum reclamaram das que colocaram no rótulo da lata de atum que era amigo do golfinho, quando conseguiram pescar atum sem foder com os golfinhos todos junto; e a omc deu ganho de causa, isso faz uns anos, proibindo o rótulo diferenciado. e depois, só com muito custo, a omc adicionou uma cláusula lá e consertou isso, deixando então os caras colocarem o selo de "amigos dos golfinhos" nos rótulos de atum e esse tipo de coisa.

agora quem tá acabando com todo o litoral brasileiro de sp até a bahia é uma empresa de celulose que eu esqueci o nome. eles plantam eucalipto e jogam veneno pra não dar bicho, e além de acabar com as produções locais de mamão e outras frutas, por produtores menores, e além de acabar com a fauna e a flora onde está o eucalipto, que não é árvore daqui e não tem bicho que viva nesse ambiente, o veneno ainda escorre com a chuva e fode tudo, até os manguezais estão sentindo. e eles alardeiam que é "madeira de reflorestamento" como se isso fosse super amigável com a natureza, essa é bem a propaganda dos caras!

eu sempre fico com essa impressão de que se fala muito no assunto mas não se fala no assunto mesmo. é um blablablá vazio. esse post pontuou tudo, pra mim; que bom ter mais clareza das coisas. :***

aline disse...

Oi Veronica. Tbm acho que é por ai, de atingir todos os patamares impactantes. Não sei se multa resolve. Vários países adotam multas, inclusive pra multinacionais que depredam o meio ambiente. E elas preferem ser multadas pq ainda assim é mais barato do que uma ação movida na justiça por danos ao planeta. Entende o ponto? Cobrar dinheiro faz parecer que dinheiro soluciona o problema. E não necessariamente. Depende do dano, etc.

Gabriela, não sei se é pilantragem. Só acho estranho mesmo. Que biólogos e ambientalistas continuem criando mitos sobre preservação do meio ambiente. Tipo, isso é desserviço. A WWF sim, está lucrando. Mas e todos os que levam adiante a ideia, sabendo que é bobagem?

Lu, vc tá falando da Aracruz, acho. Nossa. É uma das piores. Isso aí q vc falou acontece, e muito mais. Teve uma época em que o mst tentou fazer um auê pra chamar atenção pra umas coisas. Ai a Aracruz lançou uma campanha falando do crescimento da empresa e dos empregos gerados. Complicado.

Anonymous disse...

Mas, mesmo que a coleta seletiva em casa nao funcione, o Brasil é o maior reciclador (de aluminio acho eu), graças aos catadores de latinha (daih entra aquele negocio, empregos informais, pai's sem assistência, etc)... Nao estou tentando defender absolutamente nada, soh acho um dado interessante.

A França tem uma coleta seletiva impressionante, eu fui visitar o lixo (passeio de indio), achei a ideia excelente, e funciona por conscientizaçao.

Nem vou entrar no mérito brasil - frança, quando eu ainda nao estava acostumada a separar, levei uma bronca do vizinho, que me levou pra baixo e explicou direitinho o que tinha que fazer. Tem gente que soh aprende por esporro.

aline disse...

ahahahhahahahaha

Eu levei esporro na França tbm, por causa de sacolinha de mercado e banho.

Qto às latinhas, ainda que a gente seja os maiores recicladores, há um tempo eu li que a gente não dá conta nem de metade. E vc tem razão, é por conta dos catadores, que sobrevivem com um subemprego e por ai vai.

:*

Postar um comentário

Diga lá.