12.4.09

das pequenas e discretas loucuras solitárias


Tem gente que olha tudo pelo lado positivo e vê nas pessoas seu conjunto de qualidades. Tem quem se atenha aos defeitos (há inclusive quem sinta ternura por eles). Mas veja meu caso. Que gosto de saber das pequenas loucuras dos outros. Adoro. Falo disso com quem puder. Pra descobrir cada vez mais. Vou ouvindo e colecionando. Quando digo pequenas loucuras estou me referindo ao que as pessoas chamam casualmente de toc. Mas, ao que parece, essa é uma expressão meio banalizada porque toc é uma doença razoavelmente séria e a maioria das pessoas não é doente de verdade, só um pouco louca. A Dani, por exemplo. Tem mania de equilíbrio entre os lados do corpo. Ela não gosta de perceber que alguém ou alguma coisa tocou em uma perna, ou um braço, porque a outra perna ou outro braço devem ser imediatamente tocados num ponto correspondente e com a mesma força e pelo mesmo número de vezes. Nem sempre ela pensa nisso, mas quando pensa, se ferra. Poucos percebem seu dedinho discretamente cutucando o outro ombro duas vezes quando o colega da cadeira de trás da sala toca nela pra chamar sua atenção. A graça, aliás, está em fazer escondido. Alimentar a pequena loucura discretamente, pra não se queimar. Alguns mantém a discrição porque se iludem, coitados, que todo mundo sente a mesma coisa e faz igual. Quando descobrem que sua mania é única no mundo, mantém a discrição pra não cair vertiginosamente na severa escala de consideração e respeito das outras pessoas equilibradas e livres de pequenas loucuras. No country for crazy people.
Eu já saquei que padrão é primo-irmão das pequenas loucuras. Paulo tem que obedecer os padrões de cores, formas e tamanhos. Não consegue sair do banho sem ordenar os frascos de shampoo. O mesmo com os tupperwares no armário. Os livros na estante. Os dvds na gaveta. A comida no prato, às vezes. É divertido pra ele e útil pra mim, que sou do tipo bagunceira caótica (nomemclatura dele, claro). Minha mãe lava a louça e a coloca no escorredor por ordem de tamanho, também. Do maior pro menor. Mas a desgraça dela é quando alguém está enxugando a louça. Porque eu, por exemplo, que sou do tipo bagunceira caótica, pego a louça no aleatory mode. Aí ela vai reorganizando discretamente a louça restante pra não deixar o padrão ir pro vinagre. Minha cunhada também tem as dela. Uma vez teve que trocar a roupa de cama no meio da madrugada porque não consegue dormir se as fronhas e os lençóis não forem do mesmo jogo. Um amigo tenta alternar o pé com que termina de subir ou descer um escada. Porque senão um pé fica com inveja do outro, ele justifica. Notem, como é o corpo que clama por disciplina e perfeição. No fundo, é poético. A pureza dos padrões e nosso medo em ver a vida perder o sentido nas pequenas coisas é um traço do sublime na alma humana... Bobagem, é só engraçado mesmo (fuéeen). Um colega meu gostava de ler qualquer coisa segurando uma caneta, como se fosse corrigir ou escrever notas, mesmo que não fosse. A loucura do Filipe é minha preferida. Ele digita enquanto fala. Um teclado imaginário. Digita. No ar. Enquanto pensa também. Vai digitando as frases. Numa conversa, ele já nos confessou, se ferra porque a gente fala rápido então ele tem que aumentar o ritmo da digitação. O teclado imaginário dele tem até backspace. Pro caso de errar. E, sim, ele usa. É um datilógrafo modesto e consciente dos limites de seu ofício.
Como boa observadora das loucuras alheiras, acreditei por muito tempo estar livre delas. Mas fui pega. Perceberam que eu assopro qualquer bebida que eu vá tomar num copo. Até cerveja gelada eu assopro. Aí fica ridículo porque quando acontece, os indivíduos acima mencionados riem e as chances de eu babar tudo é grande. Essa é outra regra de ouro: não pode deixar a loucura se desdobrar em altos micos e chocar a opinião pública. Por causa de um soprinho antes do gole de cerveja você vira esquicho e nunca mais tem coragem de pisar no barzinho. Proporção, né?! To conseguindo me livrar dessa. Com sacrifício e determinação. Mas já percebi outro, que permanece indescoberto: não consigo comer sossegada se cai um pouco da minha comida no chão (o que acontece com certa frequencia porque o tipo bagunceira caótica costuma ser um pouco distraída estabanada, sabem?). E não posso simplesmente pegar a comida do chão e deixar num cantinho do jogo americano. Oh, não. Não tão simples. Eu tenho que acabar de comer antes, o mais rápido possível, pegar o que caiu e então finalmente ficar sossegada. É um bom jeito de não se concentrar na conversa do jantar, tou dizendo...

Fato é que todo mundo tem seu segredinho, um quinhão freak que prefere nutrir doce e lascivamente às escuras, e aí é que está a beleza e diversão nesse mundo. Mas só pra avisar. Se você leu o texto e pensou que não consegue pisar nas rachaduras da calçada ou nas linhas divisórias do piso da sua casa. Isso é loucura de amador, tá oquei? A-ma-dor.

30 pessoas pararam por aqui:

cris disse...

"No fundo, é poético. A pureza dos padrões e nosso medo em ver a vida perder o sentido nas pequenas coisas é um traço do sublime na alma humana"

eu já tava aqui pensando no lakoff e johnson e no 'metaphors in the flesh' deles até você vir com esse 'fuééénn'. pô. eu levo as coisas a sério, tá. =)[juro que eu não consigo pensar em nada em mim que seja mais legal do que isso de assoprar até copo de cerveja. mas eu juro que vou achar; ninguém me chama assim de amador impunemente, hehehehe]

cris disse...

corrigindo: tem um livro do lakoff que é 'philosophy in the flesh' e outro que é 'metaphors we live by'. fiquei emocionada e troquei tudo.

lu disse...

hahahahaha, que post delicioso.
eu tenho certeza que vou começar a procurar as minhas loucuras e do maridão, porque não consigo pensar em nada. talvez em mim ainda ache uma (não, não tenho problemas em pisar nas linhas das calçadas e divisórias dos azulejos!), mas no maridão, acho bem difícil. acho que ele tem uma personalidade tal, assim TÂO desapegada, que não tem nada disso.
Ah, ele odeia manchas em tecidos. na roupa, no sofá, no lençol, quer lavar, vira a mônica do friends. mas isso não conta como mania, conta?

aline disse...

cris. hahahahhahahahahahahhaha
deve haver um monte de coisas legais pra se dizer. eu que não tava na pegada.

lu, brigada.

toda mania conta. todas as coisas esquisitinhas e tal. é simplesmente adorável notá-las.

Anonymous disse...

Adorei o título do post, dá para título de um outro longa: ´das pequenas e discretas loucuras solitárias, e óbvio, com Ele, dando a sequência. Quanto as minhas´discretas loucuras´, não tenho muito saco pra ficar colecionando muita coisa não, mas adoro entrar numa papelaria, as daqui então nem se fala, tem cada coisinha bonitinha, agenda, caneta, lápis, caderno, tintas, pincéis....um mundo a ser explorado, ah! e tô com mania de querer comprar óculos hehehehe, e deixe me ver........
sayonara
madoka

marjorierodrigues disse...

Já viu o blog iamneurotic.com? Lá, as pessoas podem postar essas pequenas loucuras. O mais engraçado é que, para quase tudo, mesmo o mais inusitado, sempre tem alguém que deixa um comentário, dizendo: "putz, eu faço exatamente o mesmo!".

aline disse...

madoka. minha prima mora no japão. ela tem trocentas coisas bonitinhas de papelaria e etc. ela gosta da hello kity, então imagina. o prejuizo dela. hahahhaha
sayonara.

nossa marjorie, nunca vi não. eu truco que alguém mais no mundo digite o que pensa. sério, não sei se vcs tem dimensão da esquisitice disso. O Fi tá no topo da minha lista há anos e nunca saiu. hahahhaha

:***

Rebecca P. disse...

Eu já tive muitas manias quando era criança... tantas que minha tia me apelidou de risoleta (neves), porque eu era uma "velha"... agora "melhorei", ficaram só algumas...

Eu não posso ver nada com hachuras que não sossego enquanto não colorir uma listrinha sim, uma não.

Eu tb tenho essa mania de soprar a cerveja... mas só no primeiro copo... é mais ou menos raro, mas volta e meia eu me pego fazendo isso...

e ultimamente, estou com mania de reticências... coloco em tudo!

ai ai...

aline disse...

vc tbm sopra na cerveja????

pronto, tenho um álibi. super agradecida, rebecca. :)

o nada com hachuras inclui... roupas? roupas alheiras? paredes? documentos importantes? (porque aí vc está arriscando transformar a doidice em mico, e tem a regra de ouro e tals. cuidado. to dizendo em conhecimento de causa heheheh)

Jordana, disse...

Ótimo o texto :)
Eu tenho mania de morder a ponta da toalha depois que saio do banho, mas ainda bem ninguém nunca me viu praticando essa loucura!

Thanatos disse...

hum.. não consigo lembrar de muita coisa... eu gosto de ordenar as notas por valor na carteira, mas geralmente fica bagunçado mesmo, por preguiça. Tenho mania de atrasar sempre um pouco, mas não sei se conta.
já tive de estalar os dedos uma vez, mas passou.
Acho que não é todo mundo que tem essas coisas não...

e pra lu, mania de limpeza (mas um pouco mais extremo que a monica do friends) é uma das TOC mais comuns.

lu disse...

hahahahah os comentários contando as manias tão ótimos. eu já namorei um cara que tinha essa mania de morder a ponta da toalha também, saindo do banho. era tão fofo! hahah
eu me esfrego no colchão antes de dormir, algumas vezes, tipo pra amaciar, sei lá.
(e eu lembrei também que quando eu corro na esteira, eu comemoro internamente algumas marcas, tipo o tempo 23:45 min coincidindo com 3,45 Km ou 234 calorias e esse tipo de coisa...)
ah, e hoje no restaurante um cara antes de cada garfada enquanto mastigava amassava o feijão com arroz, depois bagunçava e pegava a próxima garfada, daí amassava de novo... lembrei de você na hora!

cris disse...

eu me identifiquei com isso que o thantos falou porque eu tenho mania de arrumação. assim, eu arrumo tudo e depois fico passeando pela casa, admirando a minha 'obra'... e quando chego na casa dos amigos quero logo dar uma faxina geral [tem uma amada amiga minha de são paulo que nunca me deixa limpar nada na casa dela e eu fico desolée, hahahaha]. bom, essa daí ainda não é tão legal quanto assoprar cerveja, mas eu tentei. =)

BethS disse...

Ahahahaaa
adorei esse post.
Voce é inteligente e divertida - adorei vc tambem.
beijos querida.

aline disse...

hahahahahhahahahah

eu sabia que vcs tinham potencial!!!

morder toalha é bom, heim? nunca pensei nisso.
mania de limpeza é mais corrente sim. mas, thanatos, *mais* extremo que a mônica???? ce quis dizer menos, né?

Oi Beth, brigada. :)

cris. to achando que se um dia acontecer de a gente se encontrar pra bater papo, vou tomar o q quer q seja só no canudinho. pq vc vai acabar me fazendo esguichar chop. to sentindo, viu.

Ashen Lady disse...

Digitar enquanto falo eu não faço, mas eu não trabalho ouvindo música porque se tiver tocando alguma que eu conheça vou acabar digitando a letra.
Mas mania mesmo é a de esvaziar a lixeira do Windows mesmo que ela já esteja vazia.

Bia disse...

hahaha - Excelente!
Eu digito quando falo, mas só quando vou contar uma conversa pelo msn ou emails! E podia jurar que todo mundo fazia isso!

Daniele disse...

eh que um lado fica com inveja do outro.
mas em off.

aline disse...

Ashen, Bia, bem vindas ao seleto grupo de gente um pouco loucas.

Dani, você é uma sócia-fundadora e séria candidata à condição Hors Concours Person.

Thanatos disse...

é mais extremo mesmo. lavar as mãos por mais de 10 minutos, polir as maçanetas das portas depois que as visitas vão embora pra não deixar "sujo" com digitais, etc.

Mas geralmente acaba sendo mais extremo na higiene pessoal mesmo.

kellen disse...

eu tenho mania de combinar a cor do pregador com a cor da roupa que estou pendurando no varal. veja só a loucura...hehehe

aline disse...

Ah, entendi Thanatos. Mas aí é TOC, mesmo, é doença e tal, a pessoa fica angustiada mesmo se não segue o padrão dela. Ce tem razão, TOC com limpeza é a mais comum.
A maioria das pessoas não tem toc, só manias que são engraçadinhas. Mesmo quem tem fissura por arrumação e limpeza.

Ih Kellen junte-se a nós. Somos muitos, somos vários...

Eriquinha disse...

Simplismente ótemo!!!
Eu tenho alguns... mas chamo de tic, quando não os enquadro no toc...
Saudades

Daniela disse...

eu conto linhas. Por exemplo, se eu estiver olhando uma janela fico contando as linhas da "moldura" da janela. Se estiver sentada num bar fico contando as linhas das placas,cartazes, do traçado interno e externo das letras, do balcão, conto linhas em tudo.

E se tiver que desviar a atenção tem que ser depois num número par. Preferentemente número par múltiplo de 4. Se eu desviar a atenção antes, volto o mais rápido que puder até conseguir meu múltiplo de 4.

Eu faço isso desde criança e fiquei tão chocada quanto contei pra minha irmã e ela disse que NAO fazia isso...Eu achava que TODO mundo fazia...hahaha.

Com os anos consegui controlar um pouco e nao faço isso o tempo TODO, mas qdo era mais jovem era uma coisa perturbadora..aff.

:-)

aline disse...

Erikinha.. sim, sim, tic é um nome fofinho. Que nem você, né? Morrendo de saudades, mas em breve nóis se encontra! :**

Dani, sua sumida. :)
Essa sua mania de contar as linhas é uma das fortes! Com as regras todas. Das boas mesmo!! hahahahahahhaha

Thata disse...

Também tenho uma outra mania estranha... Quando eu estou escrevendo num caderno e uso palavras que contenham as letras 'j', 'g', 'p' ou qualquer outra letra que tenha 'perninha', na linha de baixo eu tenho que deixar um espaço quando chego perto da perninha delas. Nenhuma letra pode encostar nas perninhas das outras :~
É uma mania de amador, mas mesmo assim, irrita ^^'

aline disse...

Amador nada Thata, não seja modesta. ahahahaha

Tuanny disse...

Hahahaha
Adorei o post! Vou contar minha história.
Meu namorado tem uma mania irritante de deixar sempre um restinho de tudo o que ele come e bebe. E minha mania é justamente a contrária. Eu não consigo deixar resto nenhum. Aí eu saio comendo e bebendo o que ele deixa pra trás. E é cômico porque se ele perceber que eu bebi o resto de água que ele deixou, ele volta, enche o copo de novo, bebe e deixa 1 dedo de resto.
Doido, não é?

aline disse...

Ou, ié. Bem doido! hahahahaha

adorei a tua história tbm :)

.Kel. disse...

Não lembro de nenhuma mania atual minha, mas é engraçado quando lemro de diversasr bobagens ue ja fiz..

ótimo texto

Postar um comentário

Diga lá.