20.5.09

da assinatura

"Quando você assina a Folha, você está assinando por um Brasil mais plural, moderno e democrático. Você assina embaixo pelo respeito às diferenças, pelo respeito à liberdade e à divergência de opinião. Você diz 'sim' às novas ideias e à verdade acima de tudo. Assine. Sua assinatura faz a Folha ser cada vez mais a Folha."

Essa campanha está sendo veiculada na tv aberta e na tv paga, em diferentes horários. A publicidade bem que tenta nos fazer esquecer mas a internet blogosfera aí está pra justamente não deixar. Ainda bem que são apenas 30 segundos e 56 palavras. Eu não ia conseguir ficar acordada pra linkar cada post, artigo e matéria que interessasse.

Update: incluí links do ótimo blog de Leandro Fortes, com a sugestão da Mariê. E um do Hermenauta, de quebra. Como eu disse, dá pra linkar cada palavra do Hino Nacional com materiais sobre a Folha de São Paulo. Aproveito então pra dizer o evidente a Leandro Fortes e Hermenauta, e ainda pro Mello, pro Idelber e pro Nassif: imprescindível, excelente o trabalho crítico e atento que vocês fazem.

Update 2: na palavra 'sim' eu linkei a campanha da Veja, veiculada em meados de 2007 e 2008, pouco depois do Dossiê Veja do Nassif e que mantém com esse comercial da Folha certa similaridade.

19 pessoas pararam por aqui:

Rafael Reinehr disse...

Pois… Teve um dia que eu considerava a Folha o melhor jornal do país. Hoje prefiro o JornalEco, que sai uma vez a cada 15 dias, aqui na minha cidade…

gugaalayon disse...

Só dá pra aproveitar a diagramação…

Arthur disse...

De fato, a Folha não é de se jogar inteira no fogo, veja por exemplo, o próprio professor Comparato escreveu alguns bons artigos para o jornal a respeito, ironicamente, da ditadura. Entretanto, o que me preocupa nessa esquizofrênia editorial é a presunção errônea não só de jornais de ser impossível ter um pensamento crítico sem o aval de determinada publicação ou classe (basta lembrar da campanha publicitária “por onde você anda clicando” do Estadão de uns anos atrás); e ainda pior, a incapacidade de um meio público de comunicação em abrir espaço para uma discussão de igual para igual.
Falei demais, chega por enquanto. =D

aline disse...

Então, a folha tem sido matédia de debate há um tempo, sobretudo por conta da cobertura às eleições. Recentemente, ela alinha com a Veja mesmo, em algumas questões. Por exemplo o tratamento dado aqueles que divergem do que ela publica. Foi inacreditável como o Comparato e a Benevides foram tratados. A Dilma também não pauta matérias das mais cuidadosas.
Eu nem acho que a Folha é 100% imprestável, há colunistas que escrevem coisas interessantes, há a participação eventual de gente muito boa. Mas é preciso ficar atento, porque essas pessoas não determinam nem mudam a linha editorial, então as palhaçadas seguem paralelamente a bons artigos.
E isso que vc falou é urgente: quem é portador da verdade. Eu amo - amo - a blogosfera por isso tbm, porque dá pra quebrar o uníssono.
bjo

aline disse...

Guga,
hahahahhahaa

ainda tem os quadrinhos, o horóscopo e o guia da folha, que as sextas feiras, é uma mão na roda pros cinéfilos :D

aline disse...

meu pai foi assinante do estadão por muito tempo, ai desencanou. eu fui assinante da folha, mas tbm acabei trocando pela carta capital.
e hoje, felizmente, tem a blogosfera. essas duas me bastam mesmo.

Arthur disse...

Ok, eu fiquei pisquei por uns três meses e passei batido pela discussão folhística, em especial com relação ao caso do Comparato e da Benevides, falha grave corrigido graças à duvidosa — de acordo com a Folha ou Estado, não que tenha muita diferença — fonte de informações que é a internet.
A publicidade não apenas tenta nos fazer esquecer, mas lembra-nos de quem são os legítimos portadores da verdade que nos permitirão ser pessoas com conteúdo neste mundo.
Sábio é meu pai, pra ele jornal só serve para acender o carvão.

Marcus disse...

Os links ficaram perfeitos. Nâo precisa muito mais do que isso.

aline disse...

Então, as grandes mídias estão na defensiva sim. A Veja também empenhou uma campanha pra levantar a própria imagem justamente na época em que o Nassif publicou aquele dossiê sobre a sujeirada da Veja com o Daniel Dantas. Aliás, isso foi pouco tempo antes de estourar toda aquele prende e solta da Satiagraha.

Essas campanhas publicitárias, e aí eu incluo aquele piti do estadão contra os blogs e agora a Folha usando uma linguagem inclusiva, pluralista, democrática (que são características genuínas da blogosfera) aparecem justamente no momento em que a validade e idoneidade das mídias são colocadas em xeque. Passei a madrugada lendo e procurando links pra colocar em cada uma das palavras chave que a propaganda usa. Terminei às 5h da manhã, grogue de sono. Mas completamente feliz em ver que há blogueiros empenhados em desmontar essa muralha que se tornaram nossas principais fontes de informação.
Eu repito: a blogosfera tem sido muito mais atraente pra veiculação de informações e, o principal, pra construção de espíritos críticos.

Vc nunca fala demais, Arthur.

Hermenauta disse...

Valeu, Aline, pela citação!

aline disse...

nossa, mariê, verdade. já coloquei dois links dele. eu simplesmente deixei passar, ontem. que furo o meu.
brigada, beijos e boa noite.

Mariê disse...

Aline, outro blog super relevante é o do Leandro Fortes que junto com essas outros 3 que vc citou no coment aí em cima formam uma excelente fonte de informação (caraca tô com tanto sono que as palavras sumiram da cabeçaoca). Mas é isso. E o do Azenha, né. Tmbém.

Talvez vc já conheça, mas tô mandando o link por via das dúvidas.

http://brasiliaeuvi.zip.net/

bj

aline disse...

Nossa. Eu vasculhei o blog do Idelber, do Mello e do Nassif até não aguentar mais ver o nome da Folha. Eles merecem palmas. Mas o principal era pegar as coisas mais recentes, acho.

E de quebra eu achei a campanha da Veja :http://www.youtube.com/watch?v=-IE_uv2Q3z4

Idelber disse...

Nossa, que show de linkagem, hein? Adorei o “assine” linkado à notícia da queda nas vendas :-) Obrigado sempre, pela atenção, Aline.

Tina Lopes disse...

Perfeito, Aline, que fôlego. Bem, eu assino a Folha há milhões de anos mas é vício, como o cigarro, amor e ódio (o cigarro eu larguei). Difícil ficar sem o Clovis Rossi e o Jânio de Freitas; e sem um jornal pra ler no café. Obs - Campanha de jornal é sempre tão prepotente.

Mariê disse...

Poxa, Aline, só vi hoje meu nomezinho aí no post. Superobrigada, valeu mesmo. (e nem precisava).

aline disse...

quiéisso, Hermenauta.

aline disse...

Mariê, claro que precisava :*


Tina,
ahahahahahahah

eu parei de assinar, leio a online vez em quando. é bem mais pobre, e tal. as campanhas são muito arrogantes, mas eu me divirto porque sinto cheiro de medinho no ar, sabe?

brigada, e beijos


Idelber, é meu link preferido tbm :)
pq o medo deles é esse, vender menos.


Jéssica, eu já li estadão, folha, e agora assino carta capital. gosto bastante, e tal.

Jéssica disse...

Essa propagandas da Veja e da Folha só mostram a cara de pau dos dois veículos que falam como se construíssem um Brasil melhor… Sempre preferi a Folha ao Estadão, mas depois de ser obrigada a ler o Estadão por causa do trampo, acho que realmente fico com ele, é prepotente, gosta de usar palavras difíceis e nada a ver no editorial, mas se coloca mais não finge ser progressista como a Folha faz.
Hoje em dia estou lendo o Correio Brasiliense e foi um jornal que me surpreendeu, em reportagens costuma ser realmente mais equilibrado, só alguns colunistas e articulistas que são de morrer (Jarbas Passarinho, Ari Cunha), fazer o que né, nenhum meio chega nem perto de prestar um serviço a população e não a quem manda no país.

Postar um comentário

Diga lá.