5.5.09

das novíssimas metamorfoses do jornal

O Jornal e suas Metamorfoses

Um senhor pega um bonde depois de comprar o jornal e pô-lo debaixo do braço. Meia hora depois, desce com o mesmo jornal debaixo do mesmo braço.
Mas já não é o mesmo jornal, agora é um monte de folhas impressas que o senhor abandona num banco da praça.
Mal fica sozinho na praça, o monte de folhas impressas se transforma outra vez em jornal, até que um rapaz o descobre, o lê e o deixa transformado num monte de folhas impressas.
Mal fica sozinho num banco, o monte de folhas impressas se transforma outra vez em jornal até que uma senhora velha o encontra, o lê e o deixa tranformado em num monte de folhas impressas. Depois, leva-o pra casa e no caminho aproveita-o para embrulhar um molho de celga, que é para o que servem os jornais depois dessas excitantes transformações.

Julio Cortázar, Histórias de Cronópios e de Famas, 1964

... agora imagina assim, uma versão atual e tupiniquim desse microconto. Um monte de folhas impressas sendo lidas e se transformando em folhas impressas apenas mais amassadas e sujas e assim por diante, num estilo de degradação meio Caio Fernando Abreu. Ou então um monte de folhas impressas que não é comprado nem entregue em casa, fica na banca lispectorianamente carrancudo e estático, com medo das baratas. Ou ainda um monte de folhas impressas que, como Álvares de Azevedo, morrem prematuramente antes de entrar na fase adulta; e que não foram de fato impressas porque foram resumidas e mal redigidas e postas em portais on-line. Ou então, ou então, imagina que nestes nossos tempos, o monte de folhas impressas iria direto pro embrulho do molho de celga e fim de papo.

2 pessoas pararam por aqui:

Haline disse...

exatamente. acho que tá mais pra embrulho do qq outra coisa. ou então compram pelo brinde. pegam o brinde. e jogam o jornal fora. mas alguns (maioria) só valem pra isso mesmo.

aline disse...

Tem essa, né, de vir com brinde. Especial cinema, especial obras de arte, especial tudo. E eles superdefinem o perfil do leitor com esses encartes e brindes. Eu lembro de uma vez que a Caras dava xícaras de café. Escancarando que quem consome Caras é classe média pra baixa.

hahahha

Postar um comentário

Diga lá.