10.6.09

non ducor, duco

É esse o lema da cidade de São Paulo: non ducor, duco.

Do latim, significa "não sou conduzido, conduzo".

Non ducor, duco.

Note-se que tanto o presidenciável Serra quanto os estudantes colocaram o lema da cidade em prática, ontem.

Cada um à sua maneira, claro.

Non ducor, duco.

É tão arrepiante e revoltante deparar-se com a linha impassível da tropa de choque...


Ainda que fossem em igual número (e absolutamente não são), não se pode comparar pedras com bombas. Nem objetivamente, nem simbolicamente.

"Posso, sem armas, revoltar-me?"

Dizem que a PM foi enviada (pelo menos a princípio) para desbloquear a via.

But it's not about the traffic, my dear.


Dentro da comunidade universitária há quem teve de lidar com a tropa de choque e há quem simplesmente negue que algo de muito errado esteja acontecendo.

Por que os primeiros é que são considerados exagerados e manobrados?

Non ducor, duco

..

As fotos são de Marcio Fernandes e já estão circulando internet afora.

21 pessoas pararam por aqui:

aline disse...

Pois é. Eu daria tudo pra ter estado lá, com esses moços (te dedico, zé serra).

obrigada, Marcus, Lu.
e beijos pros dois

lu disse...

o melhor post sobre! as fotos falam tudo.
beijo.

Marcus disse...

Adorei o texto. Porque, diante dessas fotos, dá pra ser bem sintético.

aline disse...

o Marcio Fernandes de fato captou umas imagens perfeitas. Minha preferida é a do cara com a pedra nas mãos. Porque eu não quero que ninguém diga que os estudantes fugiram. Não fugiram. Eles enfrentaram com flores, com cartazes, com gritos de ordem, com pedras. E, claro, foram dispersados a bomba e balas. Porque nesse nível não tem mais nada a fazer. É esvaziar o lugar, só. E tentar se recompor em outro lugar, outra hora.
Ai, como me irrita essa história…

Haline disse...

Linda sequência de fotos. Se fosse em p&b todo mudno acharia que são fotos da ditadura. Eu to até agora meio não acreditando de tão pavoroso que é instalar a polícia lá com o suposto objetivo de “ordem” e chamar isso de “confronto”. Oi? Te jogo uma pedrinha e vc me joga bomba? Assim a gente se confronta. Nossa.

aline disse...

Ok Denis, sem problemas.

Abraço

Denis disse...

Aline, tomei a liberdade de publicar seu post aqui: http://www.camaracom.com.br/coletivo. Se tiver mais notícias/fotos, nos mande por favor!

Denis Forigo
Coletivo de Comunicadores Populares

aline disse...

nossa. espero que vc consiga descansar. pq eu tenho dormido pouco, e sem trabalhar já é irritante. trabalhando muito, deve ser alucinante.

Eu canso tbm. aliás, depois de 2007 jurei que nunca mais. Pq eu já discuti feio com amigos e até alunos. Eu perco a paciência. E sair do crusp me pareceu um sinal de que eu me distanciaria e q o movimento estudantil seria tocado pelas novas gerações de estudantes e blá. Mas enfim. A tropa de choque lá muda tudo. Coloca as coisas em outros termos. Eu queria demais estar lá com eles.

brigada pelo q vc falou. beijo.

mary w disse...

eu to com uma semana tao lotada. trabalhando 16 horas por dia. exausta. e ontem eu tive insonia. to tao cansada disso. de ficar tendo q lutar batalhas ja vencidas. na boa. quem poderia pensar q isso fosse ser reeditado? foto de ditadura. meu deus. socorro. etc. (adorei vc lutando essa batalha no blog do idelber. obrigada mesmo. beijo)

madoka disse...

Vim aqui, direto do texto lindo da Mary W e comovida, muito, mesmo, e as fotos que vc nos trouxe já deu a dimensão do que tá rolando na Cidade. É tudo ao mesmo tempo, na minha cabeça, assim como vc, queria tá lá junto com eles, e saudade demais, das aulas, dos colegas e profs de lá.
bjs

Marjorie disse...

Eu estou tão triste com tudo isso, sabe? Minha primeira reação ontem foi ficar puta. Enfurecida mesmo. Fui completamente emputecida hoje para a USP, para o ato que acabou não acontecendo por conta da chuva.

Mas aí, quando cheguei lá, a sensação mudou. Vi, no meio da Luciano Gualberto, as carteiras e o resto da fogueira feita pelos alunos que ficaram em vigília ontem, tudo debaixo da chuva. E aí me deu um puta bode. Uma sensação de desânimo, de retrocesso. Como aquele teu outro post do Sísifo. Me senti assim.

Sobre as fotos: estão mesmo ótimas. A do homem sentado, que o Idelber tb publicou, é a mais chocante. Não dá para ver na foto, mas esse cara tinha um lenço branco nas mãos.

Tb gostei da do cara de camisa bege, tentando ajudar o colega que levava uma cacetada. Acho que isso também mostra o espírito da coisa.

Mas a minha favorita mesmo é a que saiu na capa da Folha de hoje. Você viu?

Bjs

aline disse...

nossa, demais. e mais triste que isso não seja evidente pra todo mundo. a Dani trabalha na faculdade de engenharia e disse q os caras passaram a manhã enchendo o saco dela, falando que “os manifestantes mereciam bala mesmo, pra parar de ser vagabundo”. impressionante. como tantos ficaram cegos.

Tina Lopes disse...

Perfeito o post, tristes as fotos.

aline disse...

Um abraço, Madoka. Aquele abraço.

sayonara e muito obrigada.

madoka disse...

Tô aqui te lendo, aos prantos mesmo. Por tantas coisas, bom nem falar muito. Mas comovida com atitude de sua irmã, pra não te preocupar, que sensibilidade. Muito lindo isso. É um turbilhão de coisas, que faz a gente pensar e repensar em tantas coisas, do que já vivemos lá,enfim. e do que será daqui pra frente aquilo tudo. Quero acreditar que o que está acontecendo lá hoje, não vai se repetir para os que estão por vir. Esperanças. E a gente achava que não ia acontecer mais isso.
bjs e sayonara

aline disse...

Ai, nem me fala. Minha irmã me contou tudo. Ela tava lá, e só agora eu descobri que ela não tava na escadaria coisa nenhuma, que ela me ligou do meio da multidão mas ficou com medo de eu me preocupar. Ela queria que e soubesse o que estava acontecendo porque ficou com medo de isso passar em branco. E eu fiquei super comovida, pq meu pai, que é assumidamente de direita, ficou puto. Tava falando um monte hoje, tava com raiva da mídia, do Datena, que incentivavam a polícia. Pra mim é régua, sabe? Se até meu pai percebeu que tropa de choque lá é o fim da picada, é porque a coisa tá feia mesmo.
Eu m deparei com a choque duas vezes. Uma vez numa manifestação estudantil, outra num despejo de 80 famílias do movimento sem teto. Fiquei doente de raiva as duas vezes. Paulo tem uma cicatriz porque foi jogado por tres pms na assembléia legislativa de São Paulo. Pra mim, essas coisas não são nossos troféus. São lembranças de que algo falhou e morreu.

bjos madoka

aline disse...

Marjorie,

Acho que as pessoas que estão prestando atenção passam da raiva à tristeza à inconformidade à angústia ao desânimo. Eu sinto tudo isso ao mesmo tempo.

Eu cacei as fotos de manhã, e as do Marcio Fernandes eram as melhores. O Estadão fez uma galeria, de onde eu tirei todas (se não me engano, mas se eu estiver errada eu corrijo aqui tbm).

Não vi a do estadão não. Vc tem? Digitalizada? Se sim, me manda?

Bjos gripados

aaaatchin

aline disse...

Ana E.

Pois é, eu fiquei sabendo graças aos meus contatos. Mas acho que sempre foi assim, um mundo à parte. Pelo menos era como eu me sentia, quando me embrenhava nas questões da universidade pública no movimento estudantil uspiano. Enfim. Eu não tenho medo do futuro não, só da possibilidade de uns e outros se tornarem presidente. De resto, a gente dá conta. :)

E… uai! “De nada” pelo link… seu blog é bom Ana E., já falei. Adoro! :)

beijos

aline disse...

Tentei te ligar, amore, vc não atendeu. A semana foi muito corrida, e o vô do Paulo ainda foi parar no hospital e tudo. Mas eu ainda volto pra capital, sossegue.

To morrendo de saudades tbm

beijos e inté

Ana E. disse...

aqui no rio fala-se mt pouco sobre o que está acontecendo. soube mais na internet mesmo com blogs e amigos que estudam na usp. o bicho realmente está pegando, mt medo do futuro.

e muito obrigada pelo link ;)

Eriquinha disse...

Que saudades mocinha…
Não sei se você está por aqui ou não, mande notícias quando der…

Postar um comentário

Diga lá.